Lutas contra a dor e o racismo



Essa foi uma daquelas conversas que nos deixam com um nó na garganta. Guiadas por Zuma Nunes, que participa da Associação Paraibana dos Portadores de Anemias Hereditárias, e também pelas pesquisadoras Uliana Gomes e Durvalina Lima, ambas vinculadas ao PPGA da UFPB, o episódio 15 do Observantropologia tem como tema a anemia falciforme. Com ela, a convivência cotidiana com a dor, a falta de assistência de saúde adequada, o racismo e a invisibilidade. Uma luta incansável e cotidiana para quem vive no corpo a anemia falciforme e tudo que a acompanha.

A conversa foi mediada por Patrícia Pinheiro, com produção conjunta das pesquisadoras do Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFPB, Camilla Iumatti Freitas e Stephanie Sacco. A edição é de Anatil Maux de Souza. A obra que ilustra o card é do quadro “the root of the flower we do not know”, da artista plástica zimbabuana Virginia Chihota, editada por Thiago Oliveira.

Para ouvir:



Dicas Culturais:
Biblioteca Gertrudes Maria no site da Abayomi/ PB
Associação Paraibana dos Portadores de Anemias Hereditárias (ASPPAH), Meia Lua em mim ;
livro “Quatro Décadas de Lua Minguante: O caminho até a cura da anemia falciforme”, de Elvis Silva Magalhães
livro “Textos em Ciências Sociais- Pesquisas e conhecimento na Interface sociedade –Saúde“, organizado por Ednalva Maciel Neves
livro “Meia lua em mim”, de Alessandra Reis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s